• Blog do Beneficiário
 
busque no blog
463 notícias
Doenças tropicais
Diretor do Affego-Saúde ouve sugestões de usuários na DRF de Goiânia
Diretor do Affego-Saúde confere resultado da vacinação na Sefaz
Diretor do plano e coordenadora da Prevenção convidam beneficiários para participar de ações
Ser Down é normal
Coro terapêutico Celuta Pacheco Mioto se apresenta no Hospital de Urgências de Goiânia
Hepatites: causas, sintomas e tratamento



 
 
 
 
Central de atendimento

Autorizações: 3096-7627
Credenciamento: 3096-7635
Faturamento: 3096-7630
Enviado em 16/05/19 às 12h45min
 
 
Doenças tropicais

Talita Moaby
 
 
 
Você sabia que há casos de epidemias de enfermidades mais incidentes em determinadas épocas do ano devido as alterações climáticas? Por conta desses fatores climatológicos é muito comum o aparecimento de certas doenças como: Dengue, Zika, Febre Amarela e Chikungunya.

O Ministério da Saúde faz um alerta devido ao aumento de 264,1% dos casos de dengue no país, que passaram de 62,9 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para 229.064 no mesmo período deste ano (até 16 de março).

Vamos entender mais sobre essas doenças tropicais?

Doença:

Mosquito transmissor:

Sintomas:

 

Dengue

 

Aedes aegypti

Dores nos músculos, atrás dos olhos, costas, no abdômen ou ossos, desconforto nas articulações, febre, fadiga, mal-estar, perda de apetite, tremor ou suor, dor de cabeça, manchas avermelhadas ou náusea

 

Chikungunya

 

Aedes aegypti: Vírus CHIKV, da família Togaviridae

 

Dores atrás dos olhos, nas articulações, no abdômen ou nos músculos, nas articulações, febre, calafrios, fadiga, febre alta, febre leve ou suor, náusea ou vômito, dor articular persistente, dor de cabeça, inchaço dos gânglios ou irritação na pele

 

Febre Amarela

 

Arbovírus (vírus transmitidos por mosquito Aedes aegypti) do gênero Flavivirus febricis da família Flaviviridae

Dores nas costas, no abdômen ou nos músculos, calafrios, fadiga, febre, mal-estar ou perda de apetite, náusea ou vômito, delírio, dor de cabeça, pele e olhos amarelados ou sangramento

 

Zica

 

Vírus (ZKV) é um vírus transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti (mesmo transmissor da dengue e da febre chikungunya) e o Aedes albopictus

Dores atrás dos olhos, nas articulações ou nos músculos, fadiga, febre, calafrios, perda de apetite ou suor, dor de cabeça, irritação na pele, vermelhidão nos olhos ou vômito


Perceba que os sintomas dessas doenças são bem parecidos, mas não diagnostique por conta própria. Ao perceber algum desses sinais procure ajuda médica para realização de exames e iniciar o tratamento com profissionais especializados em Clínica geral e Infectologia.

A administração de medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos, reidratação com água mineral e soro introduzido direto na veia, e principalmente o repouso, são recomendações certeiras para a melhoria dessas doenças.

Importante: Não se automedique. Essa prática pode ser extremamente perigosa devido a ingestão de medicamentos sem supervisão médica e o diagnóstico que antecede o tratamento podendo levar o indivíduo a morte.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 15/05/19 às 09h30min
 
 
Diretor do Affego-Saúde ouve sugestões de usuários na DRF de Goiânia

Thaíla Queiroga
 
 
 
O Diretor Geral do Affego-Saúde, Hugo Maria D Assunção, esteve na manhã de hoje (14), na Delegacia Fiscal de Goiânia para receber dos colegas que utilizam o Affego-Saúde, sugestões de melhoria e aperfeiçoamento e o retorno da Campanha de Vacinação contra a Gripe ocorrida no local na última semana.

LEIA TAMBÉM:  Diretor do Affego-Saúde confere resultado da vacinação na Sefaz

Para que a ação fosse um sucesso, Hugo contou com o apoio do Delegado Fiscal de Goiânia, Gerson Segundo de Almeida Silva e demais colegas para que a vacinação contra a gripe alcançasse o maior número possível de usuários do plano e também os não beneficiários que pagaram somente o custeio da vacinação.
⠀⠀
Durante a conversa, o delegado Gerson reconheceu que levar os serviços da Affego aos locais de trabalho dos associados demonstra o cuidado e a responsabilidade que a associação tem pelos affegueanos.

Hugo ainda comentou sobre as constantes melhorias que a Affego está passando tanto nos âmbitos do Affego-Saúde, na comunicação entre os associados através dos canais informativos, até as áreas de lazer da associação.

Finalizando a manhã, Hugo entregou folhetos de divulgação dos programas de prevenção do plano de saúde aos colegas e ainda reencontrou amigos de longa data.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Thaíla Queiroga • ASCOM Affego

 
Enviado em 15/05/19 às 09h24min
 
 
Diretor do Affego-Saúde confere resultado da vacinação na Sefaz

Alana Sales
 
 
 
O Diretor Geral do Affego-Saúde, Hugo Maria D Assunção, esteve no Complexo Fazendário na manhã desta segunda-feira, 13, para ouvir sugestões de usuários do plano e receber o feedback sobre a ação que levou a Campanha de Vacinação Contra a Gripe até a Sefaz na última semana. Cerca de 20 associados que haviam perdido a vacinação na Affego tiveram a chance de se imunizar graças à iniciativa do Diretor, que garantiu a ida de uma equipe do Affego-Saúde ao Complexo.

Para efetivar a ação, Hugo contou com o apoio logístico do ex-conselheiro Osvaldir Bernardes Pereira, que fez a listagem dos colegas interessados na vacinação e organizou o espaço onde a imunização ocorreu. Segundo o auditor fiscal, a mobilidade é a principal vantagem apontada pelos colegas do Fisco para se ter a vacinação na Sefaz.

“Evita termos que sair, pegar trânsito, procurar estacionamento, tudo que às vezes dificulta a ida até a Affego. Por isso tudo, trazer a campanha para cá foi um grande acerto. A recepção foi muito boa, os colegas gostaram da iniciativa”, destacou Osvaldir.

O associado Ronaldo Carneiro reforçou a opinião do colega. “Essa ação facilita a utilização do benefício entre os associados, porque nem todos conseguem sair para ir até a Affego. Então, ir até onde o associado está facilita bastante”, pontuou.

Para Hugo, esta é apenas uma de outras iniciativas que o plano deve promover no Complexo Fazendário, tendo em vista a necessidade de facilitar ao máximo o acesso dos usuários aos serviços do Affego-Saúde. O Diretor também frisou entre os colegas sua abertura para ouvir sugestões, elogios e críticas referentes à gestão do plano, e que espera contar com a colaboração de todos para construir uma administração efetivamente focada nas necessidades dos usuários.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Alana Sales • ASCOM Affego

 
Enviado em 15/05/19 às 09h19min
 
 
Diretor do plano e coordenadora da Prevenção convidam beneficiários para participar de ações

Alexandro Lima
 
 
 
O Diretor Geral do Affego-Saúde, Hugo Maria D Assunção, e a coordenadora do Setor de Promoção da Saúde e Prevenção a Riscos e Doenças do plano, a psicóloga Tatyana Otto, aproveitaram a celebração de Dia das Mães na associação para convidar os associados a conhecerem e participarem dos programas de prevenção oferecidos pela operadora affegueana.

“Saúde é liberdade, por isso, é muito importante que nós tenhamos uma rotina de cuidados em prol de maior qualidade de vida”, enfatizou Tatyana Otto, que apresentou as ações preventivas aos associados. “Além da musicoterapia, temos ioga, caminhada, corrida e exercícios funcionais orientados por especialistas, tudo para que os usuários tenham várias opções de atividades de autocuidado”, destacou a psicóloga.

Hugo D Assunção também convidou os beneficiários para se engajarem nos programas preventivos, e ressaltou que está à disposição dos affegueanos para tratar de assuntos de saúde. “Como vocês sabem, assumi a Diretoria Geral do Affego-Saúde e quero dizer que, como vocês, sou um affegueano que, acima de tudo, preza pelo patrimônio da associação e pelos interesses dos associados. Por isso, saibam que podem contar comigo para defender os interesses de vocês”, enfatizou o diretor, recebendo os aplausos do público.

Quer participar dos programas de prevenção do Affego-Saúde? Acesse a nossa área de inscrição online e saiba o que você precisa para se inscrever!

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Alana Sales • ASCOM Affego

 
Enviado em 14/05/19 às 09h14min
 
 
Ser Down é normal

Talita Moaby
 
 
 
A Síndrome de Down é causada por fatores de disfunções genéticas que acarretam em alguns tipos de características físicas como: dificuldade na fala e aprendizado, retardo mental, mãos menores, língua grossa, estatura abaixo do normal, olhos oblíquos, rosto arredondado e obesidade.

A Toda fecundação no ato de sua concepção soma 46 cromossomos, e isso acontece com a maior parte da população. Quando esse número se estende para 47, ocorre a Síndrome de Down.

Apesar de algumas das características da síndrome dificultarem o dia a dia do indivíduo, é possível que a pessoa Down interaja com a sociedade, estude e trabalhe normalmente. Saiba que a Síndrome de Down não é uma doença, o nome já diz; é uma síndrome, mas que também requer certos cuidados rotineiros por toda vida, veja.

Para todas as idades:
  • Exames de rotina para o acompanhamento da tireoide, células do sangue, diabetes, cromossomos, ecocardiograma, olhos, ouvidos e raio x da coluna;
  • Estimular através de atividades físicas compatíveis com a idade: os movimentos corporais e posição do pescoço;
  •  Alimentação saudável, tomar vacinas, estudar, estar em contatos com outras pessoas, e fazer sozinho tudo o que for possível.
Leia a seguir alguns mitos e verdades sobre a Síndrome de Down:

- Atraso no desenvolvimento da linguagem é uma característica?

Verdade: Esse atraso é observado ao longo da infância. Entretanto, não existe regra para saber quando e como a criança falará, pois isso depende de cada indivíduo.

- O trabalho é indicado para fazer parte da rotina?

Verdade: Pessoas com síndrome de Down não só podem como devem trabalhar. O trabalho colabora para a realização pessoal.

- A pessoa com síndrome de Down pode ser considerada uma eterna criança?

Mito: A infantilização deve ser evitada desde cedo. Os pais precisam dar exemplo e não permitir que as pessoas em volta tratem seus filhos jovens e adultos como crianças.

- Crianças com síndrome de Down adoecem mais?

Verdade: Como consequência da baixa resistência imunológica, as crianças com síndrome de Down são mais suscetíveis a infecções. Embora essa propensão diminua com o crescimento, o acompanhamento médico é sempre recomendável.

- A sexualidade das pessoas com a síndrome é mais aflorada?

Mito: A sexualidade da pessoa com síndrome de Down é igual a de todas as outras. O mito existe porque grande parte da população não considera essa sexualidade. Dessa maneira, elas não recebem orientação sexual apropriada, o que pode levar a comportamentos inadequados.

- Elas são extremamente carinhosas?

Mito: Não há como generalizar. Cada indivíduo tem as suas características de acordo com a família e o ambiente em que está inserido. O que faz muita gente acreditar que as pessoas com a síndrome são mais carinhosas é o fato de elas serem, muitas vezes, vistas e tratadas como crianças.

Mitos e verdades sobre a síndrome de Down (Fonte: proteste.org.br).

- Ser Down não é uma escolha, e sim uma condição genética, por isso o melhor a se fazer é cortejar o espaço de cada um. Seja também coletivo e ajude na socialização de todos.

O Affego-Saúde cuida de você!

 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 08/05/19 às 10h43min
 
 
Coro terapêutico Celuta Pacheco Mioto se apresenta no Hospital de Urgências de Goiânia

Talita Moaby
 
 
 
Aconteceu na manhã de ontem (7), mais uma calorosa apresentação musical do Coro Terapêutico da Affego Celuta Pacheco Mioto, no Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO).

A psicóloga Thatyana Otto, coordenadora do departamento do Setor de Promoção da Saúde e Prevenção a Riscos e Doenças, que endossa o projeto da musicoterapia na associação, acompanhou toda a apresentação do coro.

A convite da também psicóloga Eliane Nascimento, da Divisão de Desenvolvimento de Recursos Humanos (DDRH), e de Keila da Rocha, Analista de Desenvolvimento e Treinamento (ADT) do Hugo, os coristas passaram pelas alas do hospital cantarolando canções conhecidas como: “Carinhoso” de Marisa Monte e Paulinho da Viola, “Minha Vida é Andar Por Esse País”, de Gonzagão e Gonzaguinha e “Mãe Heroína” composta por José Bernardino de Castro, um dos integrantes do coral.

Eliane nos conta que o hospital possui um projeto chamado “Cantaalegria”, no qual diversas ações são ministradas por grupos, coros, duplas, instrumentistas e em solo, que se apresentam diariamente pelas alas de cada andar do prédio levando música e alegria aos pacientes internados: “A música traz um balsamo, acolhe e leva alegria na tentativa de amenizar o sofrimento alheio”, conta.

O violonista Pedro Falcão, que também é professor do coro terapêutico juntamente com a musicoterapeuta Diana Santana, ressalta a importância da musicoterapia como fonte de saúde e bem-estar tanto para quem pratica quanto para quem escuta: “As apresentações da musicoterapia são como uma ajuda mútua, o pessoal se sente realizado em fazer o bem para os outros. Quem faz recebe, quem escuta recebe também, se alegra, e gera motivação, funciona como uma via de mão dupla”, finalizou ele.

 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 08/05/19 às 09h41min
 
 
Hepatites: causas, sintomas e tratamento

Talita Moaby
 
 
 
A Hepatite é uma infecção ou inflamação no fígado ocasionada por vírus, consumo em excesso de álcool, remédios, enfermidades autoimunes, fatores genéticos e metabólicos. O fígado no organismo humano é responsável pelo armazenamento e distribuição da glicose por todo o corpo, e o aparecimento da hepatite pode prejudicar toda a funcionalidade deste órgão.

As hepatites também podem ser classificadas em A, B, C, D, e E, alcoólica e autoimune. Leia a seguir e compreenda esta classificação:
 

  • Hepatite A - Infecção do fígado altamente contagiosa, causada pelo vírus da hepatite A;
  • Hepatite B - Uma infecção grave do fígado, causada pelo vírus da hepatite B, que pode ser facilmente prevenida por meio de vacina;
  • Hepatite C - Infecção causada por vírus que ataca o fígado e provoca inflamação;
  • Hepatite D - Doença hepática grave causada por infecção com vírus da hepatite D;
  • Hepatite E - Doença do fígado causada pelo vírus da hepatite E;
  • Hepatite Alcoólica - Inflamação do fígado causada pelo consumo excessivo de álcool;
  • Hepatite Autoimune - Inflamação do fígado que ocorre quando o sistema imunológico o ataca.

Manifestações de cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras devem ser considerados sintomas graves, pois sem o diagnóstico precoce o progresso da doença pode ocasionar em cirrose e até mesmo o câncer de fígado.

Ao perceber os sinais de qualquer um desses sintomas, principalmente quando eles persistirem, o indivíduo deve procurar o quanto antes auxílio médico para que a enfermidade seja diagnosticada por meio de exames laboratoriais e tratadas.

Profissionais da saúde especializados em Hepatologia, Gastroenterologia e Infectologia são os mais indicados para prescrição de cuidados e tratamento que o paciente deve ter. São aplicadas doses de medicamentos antivirais, reposição de sais minerais e vitaminas para casos mais sérios, para outros não tão graves o tratamento advém de muito repouso e ingestão de liquido e alimentos não gordurosos, onde os sintomas podem desaparecem em até cinco semanas.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 03/05/19 às 09h57min
 
 
A falta de vitamina B1 pode provocar doença de beribéri, confira

Talita Moaby
 
 
 
O beribéri é uma doença que acomete a nutrição do organismo causando a falência da vitamina B1 (tiamina) do corpo humano, responsável pela conversão dos carboidratos ingeridos em combustível que dão energia para toda a performance da estrutura física corporal.

Fraqueza muscular, perda de massa muscular, insônia, irritação, fadiga, aumento no ritmo cardíaco, falta de ar, perda de apetite ou sensação de formigamento são alguns dos sintomas da enfermidade muitas vezes causadas pela má alimentação.

Ao persistir alguns desses sinais, o médico deve ser consultado rapidamente. Este tipo de doença é diagnosticado por exames laboratoriais. Profissionais da saúde especializados em nutrição, neurologia e clínica geral são os mais indicados para designar o tratamento.

É recomendável a reposição da vitamina B1 contida em medicamentos e alimentos como: cereais integrais, feijão, carne bovina, legumes e frutas que auxiliam na reposição das proteínas essenciais para o bom funcionamento do organismo.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 30/04/19 às 10h47min
 
 
Programa de Atendimento Domiciliar é elogiado por beneficiário do Affego-Saúde

Talita Moaby
 
 
 
No último dia, 25, Luiz Carlos Abreu Murici, de 74 anos, auditor fiscal aposentado, juntamente com sua esposa Lilian de Souza Pereira Murici, e o filho Rodrigo Pereira Murici, vieram participar da Campanha de Vacinação contra Gripe 2019 na sede da Affego.

Na ocasião, Luiz Carlos aproveitou para elogiar o Affego-Saúde pelos serviços prestados à sua mãe, Ricardina Abreu Murici, de 96 anos, que é paciente do Programa de Atendimento Domiciliar (PAD). Os elogios foram feitos pessoalmente para o Diretor-Geral do plano, Hugo Maria D Assunção.

Dona Ricardina é pensionista de um dos membros fundadores do Affego-Saúde, o auditor fiscal Leovegildo de Carvalho Muricy, falecido em 2010. A matriarca, seu filho Luiz Carlos e família são beneficiários do plano de saúde em que seu pai do aposentado era o titular.

Durante a conversa com Hugo D Assunção, Luiz Carlos relembrou com emoção determinada situação que enfrentou com sua mãe. “Minha mãe esteve internada no final de 2018 na UTI de um hospital com um quadro grave de desnutrição e pressão desestabilizada. Ela saiu de lá com um quadro clínico de debilidade total em que não falava, não se alimentava, não estava bebendo, e não conhecia ninguém. O médico a desenganou, e solicitou o seu retorno para casa avisando que a qualquer hora ela poderia falecer”.

Diante desta dolorosa situação, Luiz Carlos recorreu ao Programa de Atendimento Domiciliar do Affego-Saúde; o programa presta atendimentos aos usuários do plano com mobilidade comprometida e com necessidade de cuidados paliativos em residência. “Foi quando nós solicitamos por orientação dos médicos, a assistência para minha mãe em domicílio. Lembramos no mesmo instante do PAD do Affego-Saúde”, contou Luiz Carlos.

 “Ela teve o acompanhamento com fonoaudióloga, nutricionista e fisioterapeuta; de prontidão nós fomos atendidos pela Affego”, revelou o filho da pensionista com a voz embargada ao falar dos cuidados que sua mãe precisou quando esteve enferma.

O usuário do plano relatou ainda sobre as visitas semanais que sua mãe recebia em casa dos profissionais do PAD: “Minha mãe recebia assistência médica em casa três vezes por semana por mais ou menos três meses. Sua recuperação foi total. Minha mãe hoje com 96 anos, está caminhando, lúcida, conversando e se alimentando sozinha, graças ao carinho a competência, e a dedicação das funcionárias aqui do plano do Affego-Saúde, excelente, nota mil”, afirmou.

Indagado sobre a importância que vê no atendimento oferecido pelo plano a sua família, o usuário reforçou a qualidade no suporte que obteve sempre que precisou do plano: “Excelente! Tudo no horário combinado, elas não atrasavam em momento algum. Chegavam com sorriso nos lábios, com muita competência e com muito carinho com a minha mãe, eu fico arrepiado quando falo nessa equipe”, finalizou emocionado.


O Affego-Saúde cuida de você!

 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
Enviado em 29/04/19 às 09h25min
 
 
“Visita regular ao médico promove qualidade de vida” diz Geriatra do Affego-Saúde

Talita Moaby
 
 
 
O envelhecimento humano ocorre cada vez mais rápido por conta da rotina acelerada do dia a dia. As pessoas dormem menos, se alimentam mal, e não se exercitam por estarem sempre com pressa.

Todos esses hábitos que vão se tornando corriqueiros com o passar dos anos, prejudicam a saúde provocando o aparecimento de várias doenças que podem perdurar por tempo indeterminado.

A medicina geriátrica tem por encargo cuidar dos desgastes do organismo humano na terceira idade, na intenção de melhorar, amenizar sofrimentos e prolongar a vida do indivíduo.

O ambulatório do Affego-Saúde dispõe de uma gama de profissionais de diversas especialidades, com o intuito de proporcionar aos beneficiários do plano praticidade e excelência nos atendimentos.

Um desses é o geriatra Alberto Cajuí, formado em Medicina há 16 anos, atende no ambulatório do plano desde 2012. O geriatra nos conta um pouco sobre a importância da visita regular ao médico: “A visita regular ao médico promove qualidade de vida” afirma.

Confira a nossa entrevista com o profissional sobre como manter uma vida saudável.

ASCOM: Qual a importância do médico geriatra para uma pessoa na terceira idade?

- Alberto Cajuí: Ele promove qualidade de vida, melhora a saúde das pessoas, e propicia o conforto em quem não tem possibilidade de cura das doenças.

ASCOM: Tem uma idade indicada para procurar a especialidade de geriatria?

- Alberto Cajuí:
Não tem uma idade ideal para procurar o geriatra, quanto mais cedo melhor, mas de forma geral depois dos 50 anos de idade passa a ter mais benefícios.

ASCOM: Quais doenças mais ocorrem nos idosos?

- Alberto Cajuí:
Hipertensão, Diabetes, doenças degenerativas como o Mal de Alzheimer, Mal de Parkinson, e doenças osteoarticulares como a Artrose.

ASCOM: Em que casos o geriatra tem que entrar com cuidados paliativos?

- Alberto Cajuí: Quando a medicina já não propicia meios curativos para a doença das pessoas, então o cuidado paliativo vai trazer conforto, particularmente no fim da vida.

ASCOM: Como é diagnosticado e tratado a demência num paciente idoso?

- Alberto Cajuí: É realizado através de um diagnóstico clínico em consulta médica, e o tratamento é feito à base de medicamentos e medidas não farmacológicas como a atividade física.

ASCOM: O que é o Alzheimer?

- Alberto Cajuí: O Alzheimer é a causa mais comum da demência, e é uma alteração provocada por deposição de proteínas no cérebro que causa a diminuição na formação dos neurônios provocando a perda de memória. Essa perda de memória vem associada com a perda funcional, o paciente passa a ter maior dependência para executar as atividades que antes ele conseguia fazer sozinho.

ASCOM: O que é Mal de Parkinson?

- Alberto Cajuí: Também é outra doença neurodegenerativa que ocorre a diminuição dos neurônios do núcleo da base, e isso provoca alterações motoras, tremor, rigidez, e lentidão dos movimentos.

ASCOM: O Alzheimer e o Mal de Parkinson são uma das doenças que mais afetam o idoso, mas quais os fatores que levam a doença? Seria herança hereditária?

- Alberto Cajuí:
Principalmente a predisposição genética, mas em relação ao Alzheimer, a gente tem que levar em consideração também os fatores de risco cardiovascular como: Hipertensão, Diabetes, Epidemia, e o AVC que pode provocar aceleração da perda funcional da reserva neurológica, que ajuda a causar a doença de Alzheimer.

ASCOM: Como é feito o diagnóstico do Alzheimer e Parkinson?

- Alberto Cajuí: O diagnóstico de Alzheimer é clínico feito em consulta médica. Não há nenhum exame capaz de identificar a doença, por isso é importante a avaliação médica. O tratamento da doença de Alzheimer é medicamentoso, a medicação aumenta a disponibilidade do neurotransmissor que se chama tiocolina, responsável pela transmissão da memória.

O Mal de Parkinson também é uma doença diagnosticada através de consulta médica. Ma não há nenhum exame capaz de identificar a doença, por isso é importante a avaliação médica. O tratamento da doença de Mal de Parkinson é medicamentoso, a medicação aumenta a disponibilidade do neurotransmissor que se chama dopamina, que se encontra diminuída no caso do Mal de Parkinson.

ASCOM: Como é possível envelhecer com qualidade?

- Alberto Cajuí:
Primeiro a pessoa deve ter bons hábitos saudáveis de vida, praticar exercícios físicos regular, manter uma alimentação saudável, e fazer visita regular ao médico para fazer o controle de doenças de predisposições genéticas e doenças evitáveis.

O Affego-Saúde cuida de você!
 
Fonte/Autoria: Talita Moaby - ASCOM Affego

 
 
AFFEGO - Associação dos Funcionários do Fisco do Estado de Goiás
Rua Henrique Silva, Nº 312, Setor Sul, CEP 74.083-020 - Goiânia (GO) - Fone: 3218-5051